Olá, ! Tudo bem com você? Agradeço por se interessar pelo De estressado para líder empreendedor . Espero que a leitura seja esclarecedora e úteis para você.

Meu nome é Sergio Naguel e minha atual missão é desestressar a vida dos líderes pós-modernos, tornando-os mais produtivos e alegres. Fique comigo até o fim que eu vou explicar minha ótica da coisa.

Desestressar a vida dos líderes pós-modernos, tornando-os mais produtivos e alegres é possível? Sim. Desenvolvendo a dirigibilidade dos grupos de trabalho, ou seja, tornando os grupos amistosos, sinérgicos e empáticos. Desta forma os líderes não precisam ficar se estressando e se aborrecendo, cobrando o tempo todo questões óbvias durante a execução das tarefas, desperdiçando assim seu tempo produtivo de planejar, controlar e melhorar os processos – que são suas funções mais nobres, realizadoras e que lhes dão verdadeira alegria.

É precisamente isso que eu faço, via mento-coaching de grupo, pelo método Palestra em Roda.

A importância da dirigibilidade de um grupo pode ser ilustrada comparando-se o esforço dispendido por um motorista para estacionar dois caminhões, sendo que um equipado com direção hidráulica e o outro com direção mecânica. Em ambos os casos o motorista é capaz de estacioná-los, mas o estado físico e emocional, ao final das duas manobras, vamos concordar que serão muito diferentes.

Quem são “eles” os líderes?

Vamos ser honestos, 90% de todos dos profissionais que assumem posições hierárquicas de liderança assumiu esta posição por força contingencial. O profissional, geralmente, inicia sua carreira na base da pirâmide hierárquica, ou seja, no papel operacional. Nesta posição, um realiza sua atividade numa vibração e com uma intensidade diferente dos demais.

A empresa cresce e esta pessoa que teve um “brilho” diferente no seu desempenho como operacional, é percebido, reconhecido e promovido. De repente, o profissional, anteriormente o “melhor operacional” do processo, se vê em posição de comando, às vezes do grupo de trabalho que fazia parte.

É preciso encarar a realidade: Os tempos mudaram, os colaboradores mudaram e até os clientes mudaram. Entretanto as empresas continuam a promover seus líderes à moda antiga.

As empresas costumam contar com grupos de trabalhos de difícil dirigibilidade para atingir suas metas. Esses grupos são formados por pessoas que não escolheriam umas as outras para trabalharem juntas, ou seja, não se gostam, que têm que realizam atividades que não gostariam de terem que realizar, seguindo métodos de trabalho que elas acham que não são como deveriam ser, para atingir as tais metas que elas não se engajam porque não são as que gostariam de atingir.

Tentar forjar um líder à moda antiga para que ele seja o responsável por harmonizar essa bagunça toda é um ato se mostra de grande ineficácia.

Uma proposta nova para um cenário novo

A minha proposta é que se proceda uma inversão de valores: colocar o foco para desenvolver as competências sócio emocionais das equipes juntamente com os seus líderes num processo vencedor de mento-coaching de grupo.

O desenvolvimento sócio emocional das equipes, que acontece com a participação ativa e presencial dos líderes, acompanha a ideia do modelo de três estágio da gestão da mudança de Kurt Lewin, conhecido como Descongelar – Mudar – Recongelar.

Ilustrando o modelo de Lewin

Se você tem um grande cubo de gelo, mas o que você realmente quer é um cone de gelo, o que você faz? Primeiro você deve derreter o gelo para poder mudar (descongelar). Aí, então, você pode tratar a água gelada da forma que você deseja (mudar). Finalmente, você deve solidificar a nova forma (recongelar).

Nesse sentido as sessões de coaching de grupo trabalha sempre com o ciclo EU/EU – EU/VOCÊ – GRUPO/TAREFA.

1- Conhecendo a si mesmo – EU/EU

  • O participante será conduzido à reflexão sobre a importância do autoconhecimento de suas crenças, valores, motivos e atitudes diante das várias situações da vida. Isso permite demonstrar ao participante a relação direta dos fatores pessoais na percepção da realidade e por consequência no seu comportamento interpessoal.
  • O participante poderá se enxergar em condições de pressão e estresse, diante do risco e em relação a questões de dependência.

2- Compreendendo as outras pessoas – EU/VOCÊ/GRUPO

  • O participante saberá por que a argumentação lógica não é suficiente para obter a cooperação das pessoas das quais ele depende para alcançar os seus objetivos.
  • Também entenderá o poder da empatia como guia para decisões justas no trabalho em equipe
  • Trabalhará as habilidades de dar e receber feedback e, do ouvir atentamente. Aprenderá a trabalhar as questões da coerência e autenticidade
  • Passará a entender os mecanismos da motivação;
  • Entenderá os mecanismos de defesa e o processo de mudança;
  • Saberá como lidar com as resistências, a transferência e a contratransferência
  • O participante aprenderá os processos de interação grupal
  • Vivenciará os efeitos das relações socioemocionais nos grupos.
  • Vivenciará questões de resolução de conflitos

3- Compreendendo a dinâmica dos grupos- GRUPO/TAREFA

  • A equipe funcional; Planejamento; Resolução de Problemas

Ao final das sessões de mento-coaching o grupo terá se capacitado em:

Aprender a aprender – Aprendizagem que fica para a vida;

Aprender a dar ajuda – Apoiar, contribuir, compartilhar;

Aprender a participar eficientemente em grupo – Opções conscientes para a troca de comportamentos inadequados.

CONCEPÇÃO DO PROJETO

Para que o índice de assimilação do conteúdo atinja patamares superiores dos convencionais, as sessões de coaching de grupo alia dinâmicas grupais e vivências pessoais à um conteúdo teórico e instrumental. As sessões são conduzidas pela estratégia do “aprender-fazendo”. Tudo isso acontece em um ambiente seguro no qual o participante poderá aprender na prática, ao lado de pessoas solidárias e sob minha supervisão.

O ambiente é propositalmente criado para despertar e desenvolver processos de grupo favoráveis à descoberta, ao reconhecimento, à análise, e à experimentação de padrões de comportamento em grupo que é encorajada pela proteção que o próprio ambiente oferece contra as consequências imediatas inevitáveis da ação inovadora em outros ambientes da vida real.

No treinamento estabelece-se uma atmosfera permissiva que facilita aos participantes uma exposição intrapessoal e interpessoal de ideias e sentimentos fazendo-os encarar suas inadequações ao perceber, como num espelho, como percebidos entre si.

O enfoque “aqui e agora” é a característica do método Palestra em Roda com o qual desenvolvo as sessões de mento-coaching